Um século de favelas…

Um século após a 1ª citação, favela cobra lugar na história e data ”para reflexão”

31 de outubro de 2010 | 0h 00
Bruno Paes Manso e Rodrigo Brancatelli – O Estado de S.Paulo

No dia 4 de novembro de 1900, um delegado escreveu ao chefe da polícia do Rio reclamando do Morro da Favella – atual Morro da Providência, no centro. Para o “bem da ordem e moralidade pública”, sugeria a “extinção dos casebres e pardieiros” do lugar. No morro viviam veteranos da Guerra de Canudos e o povoado foi batizado em referência a uma planta comum nos campos de batalha baianos.

Mais de um século depois, a data vem sendo reivindicada por movimentos sociais para ser oficializada como o dia da favela. Cinco cidades já aderiram – entre elas, Rio (a primeira), Salvador, Fortaleza e Sergipe. Em outras três, tramita projeto de lei para criar a data. Na quinta-feira, o evento será celebrado informalmente nos 26 Estados brasileiros e Distrito Federal, com mostras de filmes de diretores que moram em favelas, shows e saraus.

“Não queremos mais um feriado e também não queremos comemorar. Lutamos para tornar essa data um momento para reflexão”, afirma Celso Athayde, um dos fundadores da Central Única das Favelas (Cufa), que encabeça a cruzada. “Favela e favelado são estigmas há mais de um século. Precisamos encontrar alternativas para transformar esse estigma em carisma.”

Na véspera do feriado, Athayde vai se encontrar em São Paulo com o prefeito Gilberto Kassab (DEM) para discutir o tema. Assim como fez no Rio, ele pretende conseguir na capital paulista mais de 1 milhão de assinaturas em defesa da efeméride.

110 anos. Desde o surgimento dos primeiros barracos no Rio, a relação do brasileiro com as favelas foi controversa e mal resolvida. Tratadas nas primeiras décadas do século passado como patologia social a ser sanada com base nas políticas de remoção, já foram berço dos movimentos sociais nos anos 1960 e 1970 e ganharam a pecha de reduto de bandidos e traficantes nos anos 1980 e 1990.

Os estudos e debates sobre o tema aumentaram nos anos 1970 e ajudaram pesquisadores e autoridades a chegar a alguns consensos. É o caso das políticas de reurbanização. Abandonou-se de vez a crença na eficiência das remoções dispendiosas, que segregavam, destruíam vizinhanças ao mandar moradores para bairros distantes.

“Dificultava a vida dos que eram expulsos e custava caro aos governos, que precisavam criar nova infraestrutura. Apesar do consenso, a remoção ainda hoje é defendida disfarçadamente com argumentos ambientalistas”, afirma o arquiteto e urbanista Kazuo Nakano, do Instituto Pólis.

O debate passa atualmente por um novo estágio. “O movimento está se rearticulando para discutir sua identidade, o que passa pela luta por vagas na universidade e reconstituição da sua história”, diz o antropólogo Marcos Alvito, organizador do livro Um Século de Favela.

 

Fonte:Estadão.com

 

 

Alegrou, também, muuito meu dia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s